quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Secretário diz que convocações do concurso da PMJP serão no início de 2014

Os classificados no concurso da Secretaria da Educação e Cultura de João Pessoa (Sedec/JP) devem estar em sala já no início do ano letivo de 2014. A previsão é do secretario de educação municipal, Luiz de Sousa Júnior, que pretende começar o próximo ano com o reforço dos professores e dos demais contratados no concurso, que está com inscrições abertas. Segundo o secretário, a seleção tem como objetivo suprir a carência de profissionais e investir na qualidade da educação do município. "Temos o quarto maior salário de professores das capitais brasileiras e o maior da região Norte-Nordeste. Um dos maiores problemas do professorado é a desvalorização da categoria, e nós estamos indo no caminho inverso. Os servidores da área de apoio ajudam a montar um ambiente educativo mais significativo nas escolas", declara.


FOLHA DIRIGIDA - O concurso para a Secretaria de Educação foi esperado com muita ansiedade pelos candidatos. Há quanto tempo a secretaria se prepara para realizar a seleção? Como foi esse processo?
Luiz de Sousa Júnior - 
A parte operacional foi feita em conjunto com a Secretaria de Administração e com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município de João Pessoa (SintemJP). Temos uma relação de muito diálogo com o sindicato, e isso ajuda muito. As solicitações do sindicado foram atendidas, e, na própria solenidade de lançamento do concurso, realizada na última sexta-feira, 8 de novembro, o representante do SintemJP disse que estava muito satisfeito com o certame. Tudo foi feito de forma muito transparente e as condições que nós temos são as mais adequadas para realizar esse concurso, agora em parceria com a Fundação Getúlio Vargas.

A demanda atual por novos professores vai ser suprida com os novos profissionais? O quantitativo de vagas vai atender ao que as escolas necessitam?

Há um dado importante. O número de vagas desse concurso é 44% superior ao do último certame, realizado em 2008 (N.R. Em  2008 foram oferecidas 991 vagas). Portanto, vai atender sim. Temos cerca de 1.500 docentes contratados temporariamente, que serão substituídos pelos aprovados no concurso. Ao todo, teremos aproximadamente 3.500 professores para atender a 58 mil alunos.

A secretaria formará cadastro de reserva?

Não. Nós queremos convocar todos os aprovados, integralmente, já em março de 2014, para darmos início ao ano letivo com o novo pessoal.

Haverá algum tipo de treinamento? Os novos professores participarão de algum projeto paralelo desempenhado pela secretaria, além de estarem em sala de aula?

No caso dos professores, eles participarão do planejamento escolar, feito no início do semestre. Nesse primeiro momento a grande prioridade é a sala de aula, mas cada escola tem seus próprios projetos, então, é provável que eles se engajem.

Qual a importância dos profissionais da área de apoio (assistente social, orientador educacional, supervisor escolar, psicólogo e agente educacional) na rotina das escolas e dos alunos?

Nós, em João Pessoa, temos uma larga tradição em manter um bom contato com esses servidores da área de apoio, especialmente com o assistente social escolar. A grande maioria dos municípios não tem isso. Nós entendemos que esse grupo desempenha um apoio importante nas questões de ordem de aprendizagem, na análise de algum distúrbio, por exemplo, e também aos professores e às famílias. Esses profissionais ajudam a montar um ambiente educativo mais significativo nas escolas.

A secretaria já se planeja para concursos que contemplem outras funções da área de apoio, como inspetor, merendeira, motorista, faxineiro?

Para essas funções, trabalhamos de forma terceirizada. Por enquanto, não temos a intenção de fazer concurso para efetivos.

No Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), indicador criado pelo governo federal para medir a qualidade do ensino nas escolas públicas, João Pessoa teve um bom desempenho. Os colégios alcançaram a média de 4,4 para os alunos do 5º ano (antiga 4ª série), superando a meta projetada pelo MEC, de 4,2. e de 3,6 para os alunos do 9° ano, atingindo a meta estabelecida. Os novos profissionais têm relação direta com a manutenção desses bons índices?

Não só com a manutenção, temos a pretensão de melhorar ainda mais nosso desempenho no Ideb. Nós pensamos que com o professorado e os componentes da área de apoio dentro de uma carreira estável, participando ativamente na rotina das escolas, com certeza haverá melhoria no desempenho. Um dos maiores problemas do professorado é a desvalorização da categoria, e nós estamos indo no caminho inverso. Queremos valorizá-los.

De que forma a secretaria valoriza seus profissionais?

De três formas: primeiro com a realização do concurso, que é a porta republicana de acesso ao serviço público. A questão salarial também é um destaque: segundo dados de agosto de 2013, divulgados pela Folha de São Paulo, temos o quarto maior salário das capitais brasileiras e o maior da região Norte-Nordeste. Por último, a qualificação: temos uma política muito forte de formação continuada de nossos profissionais.

Qual perfil de profissional a secretaria busca?

É preciso ter a capacidade de liderar e ser mediador do processo educativo. Ter um bom desempenho em trabalhos coletivos, ajudar na resolução de problemas. A inovação no trabalho pedagógico é muito importante: é preciso se colocar à frente dos processos tecnológicos. Queremos um profissional antenado para o futuro, e não um que reproduza o que já foi feito até então. Oferecemos recursos para isso, como nosso programa de informática educacional. Então, dito isso, espero que aqueles que tenham o mérito e tenham investido na formação sejam aqueles que consigam as vagas que disponibilizamos.

Fonte:Folha Dirigida