sexta-feira, 23 de agosto de 2013

PRATICANDO E APRENDENDO A USAR O WRITTER OFFICE




   Observe que, em geral, as interfaces oferecem diferentes estratégias para realizar a mesma operação, utilizando menu ou botões numa barra de ferramentas. Essa possibilidade de acionar uma ação através de opções no menu ou através dos botões numa barra de ferramenta é uma regra bastante geral na construção da interface de um software. Incluímos uma pequena animação falando sobre esse assunto, sob o título “A linguagem padrão das interfaces”.Quando você salva um documento de textos do software LibreOffice, você terá um arquivo com extensão padrão, tipo .odt. Precisamos, contudo, saber que alguns formatos não são compatíveis com todos os editores. Por exemplo, o formato .odt pode não ser visualizado pelas versões mais antigas do editor Word do Office da Microsoft.
Você já está familiarizado com as expressões “formato” e “extensões” de arquivos? O que significa? Por que há distintos tipos?

É importante saber que essas incompatibilidades nascem inicialmente pela dificuldade de negociar um padrão durante o desenvolvimento de ferramentas semelhantes, mas algumas vezes se mantêm, principalmente, pelos interesses das empresas privadas em manter a sua fatia de usuários.
Há muitos tipos de materiais eletrônicos, textos, imagens, sons, apresentações etc. Cada tipo de material pode ser produzido e visualizado por um tipo de ferramenta (textos nos Editores de textos; imagens nos Editores de Imagens etc.). E associado a cada um há um conjunto de formatos de codificação específico. Para o caso dos documentos de texto, temos como mais comuns e usados:
  • .odt – para a ferramenta Writer do LibreOffice.
  • .doc – para a ferramenta Word do Windows-Office.
  • .txt – um formato básico, simples.

Mas há ainda muitos outros formatos. Algumas ferramentas não conseguem (seus produtores talvez não tenham interesse nessa questão) ler os textos salvos com extensões diferentes. Isso traz limitações à portabilidade dos documentos nesse formato. Há alguns formatos que são mais portáteis, então, se quisermos migrar nossos documentos de uma ferramenta para outra, recomendamos, nesse caso, o formato .rtf – Rich Text Format. O formato RTF é reconhecido pela maioria dos editores.
Os formatos portáteis são bastante importantes, pois, como são reconhecidos pela maioria dos editores, podem transportar nosso texto de um computador para outro. Sem eles ficamos dependentes de uma única ferramenta de edição. Se levamos nosso arquivo, com os nossos pendrives, para outro computador que não possua um software que reconheça o seu formato, não podemos trabalhar com ele.
Entretanto, o formato RTF costuma aumentar consideravelmente o tamanho dos arquivos. Assim, outro formato importante para poder distribuir seus documentos textuais é o PDF.
O Portable Document Format, ou PDF, é um formato de arquivo, desenvolvido pela Adobe Systems em 1993, para representar documentos de maneira independente do aplicativo, do hardware e do sistema operacional usados para criá-los. Um arquivo PDF pode descrever documentos que contenham texto, gráficos e imagens num formato independente de dispositivo (PORTABLE, 2009).
Acerca do formato PDF, cabe o alerta de que, normalmente, o documento será aberto apenas para visualização. Portanto, esse formato é muito útil, quando você deseja compartilhar um documento pronto.
A possibilidade de edição de arquivos PDF demanda adquirir softwareespecífico (Adobe Acrobat X Pro) e configurações especiais no momento de salvar.
Você também pode assistir esse link:http://youtu.be/jCUDkkMNxK4