segunda-feira, 29 de julho de 2013

DROGAS QUE ACABAM COM OS DENTES

Os vilões da saúde bucal estão por todo canto. Alguns já são velhos conhecidos, como o fumo e as drogas, outros, apesar de terem sua função para o organismo, podem prejudicar a boca – é o caso dos medicamentos. Para esclarecer os malefícios de cada uma dessas substâncias, o estomatologista Wagner Seroli, da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD), explica as consequências do uso e como se prevenir.

Fumo
O cigarro provoca manchas nos dentes e na língua, reduz a sensibilidade do paladar, diminui a capacidade de recuperação após uma cirurgia ou procedimento odontológico e aumenta o risco de doenças da gengiva e de perder os dentes. Ao se tratar de câncer de boca, os riscos também são grandes. Associado ao álcool, a chance de desenvolver a doença é trinta vezes maior. “Apesar de todas as campanhas de combate ao fumo, no Brasil há cerca de 30 milhões de fumantes”, diz Seroli.

Medicamentos
Segundo a APCD, estimativas sugerem que 40% das pessoas ingerem ao menos um tipo de medicamento diariamente, que pode prejudicar os dentes. Na lista desses remédios estão os contraceptivos, medicamentos de câncer, anti-histamínicos (alergia), remédios para tratamento de asma e xaropes. “Alguns medicamentos para asma são altamente ácidos e podem afetar o esmalte dos dentes com seu uso prolongado, já os xaropes contêm muito açúcar nas formulações, o que aumenta o risco de cáries se o paciente não escovar os dentes logo após a ingestão”.

Seroli explica que algumas substâncias também costumam reduzir a produção de saliva, o que causa xerostomia, mais conhecida como ‘boca seca’. “Como uma das funções da saliva é controlar a população de bactérias na boca, sem essa proteção, aumentam as chances de a pessoa desenvolver mais cáries, inflamações e infecções na gengiva, sem mencionar o impacto negativo no estado geral de saúde do paciente”, afirma o especialista.

Cocaína 
Quando os usuários esfregam cocaína nos dentes e na gengiva, ela resulta numa solução ácida, e provoca erosão do esmalte dental, ou seja, a perda de tecido duro da superfície dos dentes. “Essa perda é muito agressiva e pode desencadear dor, sensibilidade exagerada e comprometer a aparência do paciente”.

Crack 
Fumado em ‘cachimbo’, o crack é muito agressivo à saúde oral. Ao entrar em contato direto com a boca, a fumaça danifica o esmalte, a gengiva e os nervos.

Ecstasy 
“A droga do ‘amor’ deveria ser conhecida como a droga da ‘dor’”, considera Seroli. Isso porque o ecstasy predispõe o usuário a sofrer de boca seca e bruxismo, que é o ranger involuntário dos dentes durante o sono. “Toda estrutura da arcada dental pode ser prejudicada se não tratada adequadamente”, alerta.

Metanfetamina 
Uma droga altamente ácida e uma das mais agressivas para os dentes, já que provoca cárie em um curto espaço de tempo. “Outros efeitos incluem boca seca, bruxismo e problemas mandibulares”.

Alerta para o câncer
Pessoas com mais de 40 anos, que fumam, usam drogas ou bebem muito, precisam ficar atentos a:
- machucados constantes
- histórico de câncer oral na família
- aparecimento de feridas que não cicatrizam dentro de uma semana
- manchas brancas, vermelhas ou pretas
- carnes crescidas, caroços e bolinhas escuras

“Enquanto algumas pessoas manifestam dificuldade para falar, mastigar e engolir, em estágios mais avançados da doença, no início, os sinais podem passar despercebidos, daí a importância de um autoexame regular e visita regular ao dentista”, recomenda Seroli.
Fonte: Terra