terça-feira, 4 de junho de 2013

Filme da semana-Faroeste Caboclo



Sinopse:João (Fabrício Boliveira) deixa Santo Cristo em busca de uma vida melhor em Brasília. Ele quer deixar o passado repleto de tragédias para trás. Lá, conta com o apoio do primo e traficante Pablo (César Troncoso), com quem passa a trabalhar. Já conhecido como João de Santo Cristo, o jovem se envolve com o tráfico de drogas, ao mesmo tempo em que mantém um empregro como carpinteiro. Em meio a tudo isso, conhece a bela e inquieta Maria Lúcia (Ísis Valverde), filha de um senador (Marcos Paulo), por quem se apaixona loucamente. Os dois começam uma relação marcada pela paixão e pelo romance, mas logo se verá em meio a uma guerra com o playboy e traficante Jeremias (Felipe Abib), que coloca tudo a perder.

Crítica:Um verdadeiro faroeste ambientado nos dias de hoje.A adaptação da maior música brasileira de todos os tempos (E quando falo de maior não é apenas seu valor cultural mais sua extensão) já se fazia necessária a um bom tempo.Faroeste Caboclo é perfeito em todos os sentidos não só na ambientação mais na retratação da marginalização que Brasilia vivia na década de 70.O filme consegue superar Somos tão jovens e é cheio de surpresas.A platéia vai do ódio ao riso e da tensão ao grito em muitos momentos.Em diversas cenas a platéia vibrava sempre quando João fazia sua vingança contra seus algozes em especial com o cara que mata seu tio e o rapaz que o estupra.O filme translitera a música perfeitamente em cada estrofe .A produção menciona o cenário musical do país naquela época quando a ação se passar em um show do Aborto Elétrico.No final temos uma grata surpresa especialmente para aqueles que conhecem a música quando somos levados a pensar que será diferente o final caímos em uma reviravolta show.As atuações são perfeitas, a direção é segura e bem sustentada e o roteiro não decepciona principalmente aos admiradores da música como eu,tudo está lá e numa das melhores descrições.O público fica tão empolgado que nem nós créditos finais vão embora e cantam a música toda num belo coro.Uma das melhores sessões de cinema que já fui especialmente pelo envolvimento da platéia.Sem falar que fui um dos primeiros no estado a ver o filme pois era a primeira sessão da pré-estreia.Merece com toda certeza ser visto no cinema.O único aspecto negativo é o excessivo consumo de maconha no filme coisa que nunca vi nem em Cidade de Deus.O destaque vai para o último trabalho de Marcos Paulo .Nota 10